sábado, 31 de março de 2012

Crise e segurança: o assexual na sexo-sociedade

Hoje falaremos sobre um artigo teórico da pesquisadora Ela Przybylo, da área de Estudos Feministas da Universidade de Alberta, no Canadá. Em seu trabalho, a pesquisadora se pergunta: de que modo a recente visibilidade da assexualidade - como categoria identitária emergente no ocidente - impacta os postulados históricos construídos e naturalizados sobre sexualidade?

A partir de teorias feministas e pós-modernas, a pesquisadora situa a assexualidade simultaneamente como produto da contemporaneidade e também como reação contra o que ela chama de sexo-sociedade. Para ela, sexo-sociedade é a sociedade “sexual” que estabelece os princípios de normalidade das condutas sexuais. Com a criação da palavra sexo-sociedade, a pesquisadora pretende mostrar textualmente a onipresença diluída da sexualidade em nosso mundo contemporâneo ocidental, chamando a atenção para o papel central que o sexo e a sexualidade desempenham em nossa sociedade; a sexo-sociedade está em todo lugar, está dentro de nós, nós somos a sexo-sociedade.
Na sexo-sociedade todo mundo tem que fazer sexo, não só com determinada frequência, mas também é obrigatório que seja imensamente prazeroso, tem que ter orgasmo; é imperativo que haja o coito, ou seja, o sexo heterossexual, cujo objetivo é a penetração da vagina pelo pênis. Nesse contexto, preliminares não contam como sexo; só a penetração é sexo. Vivemos sob a “nova tirania do prazer orgásmico.”
A assexualidade, como sabemos, não se enquadra nas regras da sexo-sociedade. Para Przybylo, a assexualidade está para a sexo-sociedade da mesma forma que o feminismo está para o patriarcado e o movimento LGBT está para a heteronormatividade, no sentido de que o patriarcado e a heteronormatividade constituem forças opressoras contra as quais é preciso se rebelar. Porém, diferentemente do patriarcado e da heteronormatividade, a sexo-sociedade não possui uma representação clara e monolítica. Este “adversário” está diluído, disperso, espalhado, incoerente; apesar disso, organiza-se em torno do pressuposto da sexualidade compulsória.
Nesse sentido, diversas patologias são atribuídas às pessoas que não praticam o sexo. O Manual Estatístico e Diagnóstico de Distúrbios Mentais (DSM) - publicado pela Associação Americana de Psiquiatria – lista os seguintes transtornos sexuais sofridos pelas mulheres: transtorno do desejo sexual hipoativo, transtorno da aversão sexual, transtorno de excitação, anorgasmia, dispareunia e vaginismo, ou seja, uma proliferação de transtornos que servem para confirmar o imperativo do sexo compulsório. A abundância de transtornos sexuais servem os propósitos da sexo-sociedade. Considerando o pressuposto do sexo como força da natureza, a sexo-sociedade equipara a necessidade sexual a outras necessidades biológicas como o alimento e o sono, patologizando qualquer perturbação nessa função.
De algum modo, a falta de “impulso sexual” torna-se mais problemática do que seu excesso. A pesquisadora lembra que, enquanto os transtornos que diminuem o desejo sexual foram incluídos sem questionamento no manual, foi preciso muita negociação para a inclusão dos transtornos ligados excesso de desejo. Excesso não é problema; o problema é a falta. O DSM também é uma produção social, sujeita aos mesmos princípios de sexualidade e relações de gênero presentes na sexo-sociedade.
Os assexuais têm sido convidados a “confessar” detalhes de sua assexualidade em programas de rádio e televisão nos Estados Unidos. Para o filósofo francês Michel Foucault, a confissão é um mecanismo utilizado não somente para a “produção” da verdade, mas também para a “correção.” Por meio da confissão unilateral de nossos sentimentos mais íntimos para os outros – sejam eles amigos, psiquiatras, psicólogos, médicos, professores, padres, repórteres – não só fornecemos detalhes pessoais de nossa vida para o consumo alheio, mas também verificamos o quanto nosso comportamento está em conformidade com o que é considerado normativo.
Nessas aparições na mídia, os assexuais são confrontados com perguntas íntimas de apresentadores, da plateia, de ouvintes por telefone e também de terapeutas sexuais convidados a dar sua opinião de especialista. Em um dos programas de televisão, as apresentadoras bombardearam David Jay (fundador da AVEN – Asexual Visibility and Education Network) com todo tipo de pergunta sobre sua intimidade assexual, sempre mostrando seu ceticismo em relação à assexualidade. À medida que recebiam as respostas do entrevistado, passavam a interpretar e decifrar a “verdade assexual” que supostamente estaria escondida no interior dessas respostas. Os interrogatórios enfrentados por David Jay em diversos programas de televisão exemplificam a afirmação de Foucault de que “o homem ocidental tornou-se um animal confessional.” Mas se ele não faz sexo, o que tem para confessar? Parece que a ausência de alguma coisa para se confessar também tem que ser confessada. O sexo, assim como sua ausência, tem que ser confessado.
Przybylo destaca que a reação incrédula dos apresentadores de TV ao conceito de assexualidade talvez seja porque sua principal característica, a falta, expõe o próprio vazio da sexualidade. A assexualidade, como espaço marginal que se coloca do lado de fora da sexualidade, torna-se uma ameaça à sexualidade. Sugere que a sexualidade seja apenas uma casca que esconde seu verdadeiro interior: a ausência. A assexualidade revelaria o fantasma do projeto sexual, mostrando que o “natural” pode não passar de imitação.
No livro Simulacros e Simulação, publicado em 1981, o filósofo francês Jean Baudrillard fala de uma “era da simulação” na qual todos os referenciais são eliminados e recriados artificialmente em sistemas de signos e representações, cuja função é substituir o real. A função dessa representação é obscurecer o fato de que não existe nada real que dê sustentação a ela; são representações ocas e flutuantes. Este livro de Baudrillard aparece no filme A Matriz, como o livro no qual o personagem Neo guardava seus programas de computador; o livro tem muito a ver com o enredo do filme. Como diz Baudrillard em seu livro: “simular é fingir que se tem alguma coisa que não se tem... uma ausência, mas que deixa intacto o princípio da realidade; a diferença é sempre clara, mas está mascarada... a simulação ameaça a diferença entre ‘verdadeiro’ e ‘falso’, entre ‘real’ e ‘imaginário’.”
A partir da leitura de Baudrillard, Przybylo se pergunta: é possível que a inviabilização e a patologização da assexualidade pela sexo-sociedade seja um sintoma do medo que surge a partir da compreensão de que a sexualidade está morta, passada, ausente? Em outras palavras, em que medida a ausência revelada pela assexualidade pode ser um diagnóstico do estado da sexo-sociedade – mostrando que a sexualidade está ausente, e que essa circulação compulsiva do diálogo e representação sexual é somente uma simulação? Para Baudrillard, a saturação da sexualidade na sexo-sociedade é indicativa, em parte, de sua ausência. A hiper-realidade e a onipresença da sexualidade podem ser entendidas como simulação, como uma referência sem referente.

A afirmação de Baudrillard de que a sexualidade está morta permite uma leitura fascinante do fenômeno da assexualidade. Mesmo assim, Przybylo prefere acreditar que a assexualidade não é uma força ameaçadora, mas sim uma força estabilizadora da sexualidade, pois gera novos discursos sobre a sexualidade. Esses discursos tornam a sexu-sociedade defensora da sexualidade contra a ameaça potencial da assexualidade. A assexualidade nos força a uma reconexão com a sexualidade, portanto fortalecendo a sexo-sociedade.

Nesta postagem comentei somente partes do artigo de Przybylo, o texto é bastante fértil. Ela faz outras análises da assexualidade com base em Judith Butler, Wendy Brown, entre outros teóricos da pós-modernidade, os quais, espero retomar oportunamente, pois auxiliam imensamente na compreensão deste fenômeno da contemporaneidade.

TEXTO COMENTADO
PRZYBYLO, Ela. Crisis and safety: the asexual in sexusociety. Sexualities, 2011, 14(4), p. 444-461

8 comentários:

  1. Muito interessante pensar que a assexualidade fortalece a sexo-sociedade. Acho que é por isso que tenho dificuldade em me identificar como assexual: como posso ser definido por algo que não sinto?

    ResponderExcluir
  2. Estou pesquisando a relação entre gêneros e sexualidade, cai aqui por acaso e achei o blog muito interessante.Parabéns!

    ResponderExcluir
  3. Sou uma pessoa jovem (38 anos), antes gostava mais de sexo, hoje em dia nem sinto falta, meu marido está preste a me deixar. Às vezes ( poucas vezes ) quando estou sozinha me masturbo e até chego a sentir falta dele quando ele está longe. Mas no geral acho que fazer sexo seria ideal 1 vez por mês, para mim seria perfeito. Na última vez que nós transamos eu fingi o orgasmo e acho que ele notou...
    Com meu marido, há muito tempo atrás eu sempre tive orgasmos múltiplus, hoje em dia eu não sinto nem vontade...

    ResponderExcluir
  4. explica ai
    sou jovem católico sinto atração por pessoas do sexo oposto
    não quero destruir patriarcado nem heteronormatividade nenhuma
    acho sexo anal/oral/grupal depravação
    quero me manter casto virgem abstemio de sexo ate o casamento
    o mov assexual se enquadraria em algo q eu possa defender
    A REAÇÃO das pessoas quando falo q quero casar virgem e q não to SEMPRE pensando em sexo(penso as vezes sim) e nem me masturbo é de q sou ABERRAÇÃO doente sofro patologia etc....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jovem católico, você já parou para pensar que faz o mesmo que fazem com você? Quando você diz que quer 'casar virgem', as pessoas falam que você é uma 'aberração', mas você não considera pessoas que fazem sexo oral/anal uma aberração? Se você tem o direito de se casar sem nunca ter feito sexo, e não ser considerado um desvio da natureza por conta disso, por que os outros não podem ter o direito fazer sexo com consideram bom, sem que você ostente que os considera 'depravação'? E a sua expressão 'não quero destruir patriarcado nem heteronormatividade nenhuma', significa que considera correto que mulheres e homossexuais sejam considerados inferiores? E você não pode ser considerado inferior na sexo-sociedade? Se você é católico, já deve ter ouvido a seguinte frase: " Ama teu próximo como a ti mesmo." Por que você não coloca isso em pratica, e começa a respeitar seus semelhantes, considerando que tem o direito de viveram suas vidas tanto quanto você tem de viver a sua?

      Excluir
    2. eu não considero pessoas uma aberração eu considero certas praticas sexuais aberraçoes

      Por que os outros não podem ter o direito fazer sexo com consideram bom, sem que você ostente que os considera 'depravação'?

      eu não considero PESSOAS depravadas eu considero ATOS depravados

      os outros tem TODO O DIREITO DE ERRAR
      eu não posso ostentar NUNCA que atos sejam depravação (menos ainda pessoas)

      eu posso afirmar sim atos são errados

      a heteronormatividade e o patriacado nunca foram compreendidos deste forma por mim.
      são estruturas que somente dizem q pessoas são diferentes em certos pontos e que NUNCA SERÃO iguais.

      sexo é pra ser feito entre HOMEM E MULHER !!!
      sexo anal grupal oral quer sexa entre pessoas do mesmo sexo entre pessoas de sexos opostos são DEPRAVAÇÃO SIM

      Excluir
  5. Elisabete, encontrei por acaso seu blog, e estou devorando os textos. Parabéns pelo blog.

    ResponderExcluir